Etiquetas

,

aqui tinha escrito sobre a recente publicação deste livro de Paulo Rangel, aquando da apresentação pública do mesmo no Porto: então, e fazendo alusão ao Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, prometi uma crítica apenas quando terminasse a leitura da obra, o que sucedeu ontem.

Do ponto de vista formal, e como se trata de uma colectânea de artigos dispersos publicados na última década, o livro está dividido em grandes temas, tais como a justiça, o ensino, o exercício do poderes constitucionais ou, até, o papel do Porto (e do Norte) num contexto de progressivo alargamento da União Europeia.

Para além da embirração mútua em relação ao Presidente Sampaio, diria que na maior parte das vezes estamos de acordo, seja no campo da Justiça ou do Ensino, muito embora a notória simpatia do Paulo Rangel pelo federalismo europeu me arrepie, já que não acredito ser essa a única solução de sobrevivência para Portugal.

Por fim, a forma lúcida e coerente como é desmontada a governação socialista da autarquia portuense e a contraposição analítica com o programa de Rui Rio (muito influenciado pelo próprio autor), foram para mim as grandes surpresas deste livro, de leitura fácil mas cheia de conteúdo.

Anúncios