Etiquetas

Está feita e nem podia ser outra: candidatos do “politicamente correcto” são o que mais sobra neste infeliz país que não governa nem se deixa governar.

O caminho é estreito e cheio de armadilhas, mas a ruptura tem que ser feita e será este o seu protagonista:

Anúncios