Apesar de autor deste blogue, não me considero propriamente um perito em informática, e não fosse o WordPress uma ferramenta imprescindível para amadores como eu, nunca na vida me teria atrevido a dar tal passo.

Daí que tenha a minha ideia muito própria sobre outros métodos de estar na Net, tais como o HI5, o Facebook e mesmo o Twitter (este, claramente para preguiçosos da escrita), em que há partilha de vidas, no próprio sentido da palavra. Hoje, por mero acaso, tive direito a uma visita guiada ao Facebook e ao Hi5 por mãos experimentadas, e a confirmação da minha suspeita não se fez adiar.

Ponto de encontro entre “amigos” e “amigos de amigos”, ambos os portais são redes interpessoais onde só conta quem lá está dentro e, sobretudo, online: por isso, toca a dar pormenores das respectivas vidas pessoais, seja por palavras ou mesmo através de fotografias de conteúdo mais ou menos íntimo.

Por outro lado, e na linha do “amigo do meu amigo meu amigo é” a rede de amigos de cada qual pode ir desde antigos professores da universidade (eles e elas), a vizinhos, ex-colegas da escola primária (mesmo aqueles que tínhamos como chatos encartados) e, pior dos cenários, colegas de trabalho.

Confesso que a minha curiosidade e voyeurismo termina onde começam as fotografias do colega Silva ou Lopes da secção de contabilidade, em tanga mais a “esposa” em “quini”, numa praia tropical…

Assim, e porque este não é decididamente o meu mundo, dei por terminada a visita guiada, não sem interrogar o meu cicerone sobre quanto tempo despendia por dia nestes portais – «bom, depende, mas pelo menos 2 horas» – ’tá bem, mas não tens mulher nem filhos!!!… 😉

Anúncios