Etiquetas

,

Sem falsos patriotismos acho que devemos valorizar o que é nosso, não apenas porque seja nacional, mas desde que sendo-o, tenha qualidade. Se quanto ao cinema vão aparecendo aqui e ali algumas (boas) amostras, na produção televisiva não teria assim tantas certezas, seja porque não vejo telenovelas (nem “brasucas”, nem nacionais) seja porque nem sequer vejo assim tanta televisão.

cartaz_filme_contrato_final

A este propósito, vi ontem “Contrato”, de 2008, e encontrei uma surpresa: argumento escorreito, diálogos convincentes e uma realização competente. Nos actores, Pedro Lima é o protagonista principal masculino, contracenando com Cláudia Vieira (ui, ui…) e ambos mostram-se à altura do filme, se bem que em relação à parte feminina tudo se perdoasse por razões mais do que compreensíveis…

Tudo somado, razões mais do que suficientes para dar por bem empregue o tempo e o dinheiro.

equadorQuanto à série televisiva “Equador”, produzida pela TVI e exibida aos serões de Domingo, acho-a pelo menos (e já não será pouco) capaz de honrar a excelente história escrita por Miguel Sousa Tavares, que avalizou esta adaptação.

Ainda que o ritmo pareça uma ou outra vez algo lento (afinal, há que “fazer render o peixe”…), e que algumas soluções encontradas não resultem lá muito bem (aquela de fazer o Cônsul inglês e a sua mulher falarem português é no mínimo atrevida), o certo é que a série conta com óptimos actores que evitam ao máximo cometer o eterno pecado de falar como se estivessem a declamar em palco.

Paula Lobo Antunes no papel da “acalorada” Adélia é (para mim) uma revelação, mas quer o protagonista principal, interpretado pelo actor Filipe Duarte, quer mesmo o papel de vilão interpretado por Nicolau Breiner são marcos de boa representação. Quem quiser acompanhar os pormenores das filmagens (nos 4 cantos do mundo) pode dar uma olhadela aqui.

Em resumo, a produção nacional (e dentro desta, a TVI) está de parabéns!

Anúncios