Diz o ditado popular que – «de pequenino se torçe o pepino» e há que concordar que educar crianças é um desafio constante. Como pai de duas crianças, habituei-me a ponderar sistematicamente sobre o conceito da justa medida, no sentido em que devemos procurar saber sempre e a cada momento se estamos a ser demasiado permissivos ou, pelo contrário, repressivos.

Claro que o relativismo dos nossos dias, a ditadura do “politicamente correcto” e a idolatrização das crianças, torna alguns (poucos, felizmente!) dos pais que conheço nuns patetas que pouco mais sabem fazer senão contemplar, embevecidos e entorpecidos, os disparates e birras dos seus infantes.

Nunca como hoje, educar se mostrou tão difícil – quantos pais não se retraem de, em público, “pregar” uma palmada no rabo de um filho, com medo da imediata censura alheia, se não verbal, pelo menos visual?

Estas e outras reflexões (famílias monoparentais e adopção por homossexuais, p.ex.) encontraram hoje, no que me diz respeito, eco e respostas claras, na entrevista do Público online ao pediatra italiano Aldo Naouri. Absolutamente a ler.

Anúncios